A INFORMÁTICA NO CONSULTÓRIO DE ORTODONTIA: DIRETRIZES
 
 
     Ortodontia Gaúcha
Publicação Científica da Sociedade Gaúcha de 
Ortodontia e Ortopedia Facial
Volume II, Número 2,  Julho/Dezembro 1998 
  Dr. Carlos Rodrigues Júnior, Especialista em 
Ortodontia pela FO- FRGS
Dr. Cléber Bidegain Pereira, Especialista em 
Ortodontia
pelo CRO/RS
  
 
INTRODUÇÃO

A inteligência humana sempre lançou mão de imaginar, criar e usar ferramentas para facilitar a execução de tarefas que o próprio corpo não seria suficiente de executar: artefatos de pedra lascada, o fogo, a roda, os transportes... e o computador.
 Nos últimos vinte anos  presenciamos uma grande revolução em todas as áreas de atividade doméstica e profissional e o microcomputador é o alicerce desta revolução, facilitando as aplicações profissionais, os sistemas on-line, as conexões à Internet, o correio eletrônico e os programas de multimídia.
Tal revolução é comparada em importância ao aparecimento da primeira prensa, em 1450,  apresentada por Gutenberg.(1) Naquela época, todas as experiências eram pessoais: os horizontes eram pequenos e a comunidade olhava para dentro. O que existia no mundo exterior se conhecia por ouvir dizer. À medida que a palavra escrita ultrapassou                  os limites das aldeias, as pessoas começaram a se importar com o que acontecia em outro lugar. Alcançar a alfabetização revolucionou o ensino e alterou as estruturas sociais.
Os microcomputadores já alteram os nossos hábitos cotidianos e de trabalho.
Entretanto, a informática provoca diferentes estímulos em seus usuários, obtendo distintas respostas segundo a geração e o grupo social e profissional ao qual serve. (2)
É indiscutível que a Ortodontia tem sido a especialidade da Odontologia que mais tem aproveitado a informatização para estruturar-se e  desenvolver-se, reforçando a idéia de usar os computadores para obter-se a informação rápida e eficientemente, como exigem os dias atuais. Mas também sabemos das dificuldades oriundas desta nova ferramenta de trabalho. É quase que ter de cursar uma nova especialidade, tendo de desenvolver conhecimentos para programas e máquinas, e a um ritmo alucinante, pois a renovação das configurações das máquinas e os upgrades dos programas exigem um considerável gasto de tempo e monetário.
Levando em conta estas variáveis, pensamos ser importante estabelecer diretrizes que sirvam de base , proporcionando um ponto de partida a quem intenciona usar a informática na Ortodontia e que está convencido dos benefícios que ela pode trazer.
 

A ORTODONTIA E OS COMPUTADORES

 A Ortodontia se adaptou muito bem a esta evolução tecnológica. Conseguimos adaptar os computadores e seus periféricos às nossas necessidades técnicas e administrativas. Como periféricos mais importantes podemos citar a impressora, a mesa digitalizadora , scanner ( de mão, mesa ou de slides) as cameras de vídeo e cameras fotográficas digitais, que possuindo uma pequena memória no seu interior proporcionará imagens instantâneas sem necessidade de revelação.
A industria tem procurado oferecer programas que levem o usuário a comandar o computador com menos esforço e com pouco conhecimento. Desde a chegada do Windows é apenas necessário clicar com o mouse na opção desejada e que já está na tela representada por um ícone. Com isto diversos programas com finalidade ortodôntica estão à disposição  com o objetivo de oferecer ferramentas para Administração das Clínicas(incluindo agenda, estoque de material, registro de dados e cadastros), Diagnóstico Cefalométrico em Ortodontia incluindo análise estática , análise do crescimento, análise do tratamento e previsão do tratamento), Informação ao Paciente ( nas fases pré-tratamento, durante o tratamento e pós-tratamento) e finalmente  com o objetivo de Ensinar e Aprender (usando hipertextos, apresentação ao vivo, leituras ao vivo, e pesquisas).

ÁREAS DE ATUAÇÃO

Dentro do consultório ortodôntico há necessidade   de aplicar a informática nas seguintes áreas:

1) Administração
2) Diagnóstico Cefalométrico
3) Gerenciador de Imagens
4) Comunicação com os pacientes, colegas e comunidade
5)  Internet
 
1)Programas para a Administração

A administração e o gerenciamento do consultório ortodôntico geralmente é feito por programas específicos, que trazem recursos para dar ao ortodontista a melhor maneira para agilizar o atendimento, passando pelos seguintes tópicos:
AGENDA, CADASTRO, ANAMNESE, CONTROLE DE DOCUMENTAÇÃO ORTODÔNTICA,  RELATÓRIOS DIVERSOS, CONTROLE FINANCEIRO, CONTROLE DE HIGIENE, ODONTOGRAMA, PRONTUÁRIO, FICHA DE EXAME CLÍNICO, FICHA DE EXAME DA ATM, HISTÓRICO CLÍNICO,  FICHA DE ANOMALIAS, GERENCIADOR FINANCEIRO, AGENDA, EDITOR DE TEXTO E DISPOSITIVO DE BACKUP.
 

Como escolher um programa de gerenciamento
Na escolha de um programa para auxiliar no trabalho Ortodôntico alguns requisitos básicos devem ser levados em conta. Sugerimos uma analise mínima dos seguintes itens:
1)O Programa deve ter a sua individualidade,  mas deve ter uma estrutura que permita ser compatível com outros aplicativos, permitindo uma integração mínima; há uma grande demanda para sistemas de integração: levar imagens de um programa para cartas(atestados, agradecimentos, solicitações de exodontias, laudos) feitas em outro programa é um exemplo;
2) O Programa deve ser feito em módulos; assim sendo será possível que o ortodontista possa escolher os módulos que são necessários a sua clínica e ao seu tipo de atendimento; permite também que o ortodontista possa acrescentar outros módulos conforme a sua evolução profissional; os módulos geram opções para formar diferentes tipos de Clínicas: pequenas e grandes;
3) O Programa deve ter campos que podem ser criados, modificados e eliminados, possibilitando que o ortodontista crie e interaja dentro do seu trabalho; por exemplo, criar a sua própria ficha de anamnese;
4)O Programa deve ter suporte para receber imagens de alta qualidade; os programas de gerenciamento de imagens exigem pré-requisitos essenciais que passam pela qualidade de imagem, primordialmente, seguindo por considerar o formato, o tamanho e a capacidade de compressão das imagens;
5)O Programa deve ser de fácil acesso e manejo pelo usuário;
5) O Programa deve ter um manual informativo completo;
6) O Programa deve ser para Windows.

Cabe ao ortodontista discutir com os responsáveis pela estrutura dos programas a utilidade e necessidade dos pontos sugeridos. Junto com esta avaliação vem o conhecimento sobre a seriedade da empresa em fazer melhoras constantes nos programas(upgrades), bem como verificar o interesse da empresa em continuar trabalhando com uma filosofia  que satisfaça as necessidades do dia-a-dia  do trabalho ortodôntico.

2)Programas  e Métodos para Diagnóstico Cefalométrico:
No princípio, os programas para Diagnóstico em Cefalometria eram complicados. Necessitavam-se de periféricos especiais, como as Mesas Digitalizadoras, que eram caras e difíceis de serem configuradas,  e o Plotter para a impressão dos Cefalogramas.(3)
Hoje simplificou-se tudo. A própria cefalometria teve um desenvolvimento sem precedentes, principalmente no que se refere a análise computadorizada, como também na introdução de novos métodos analíticos. Os programas  são amigáveis, ainda que bem mais completos. Os CD-roms oferecem recursos de multimídia onde os textos estão acompanhados de imagens gráficas de alata resolução, sons, vídeos e animação.(4) As Mesas Digitalizadoras são fáceis de serem encontradas e configuradas.  As impressoras comuns, com jato de tinta, imprimem os Cefalogramas com excelente qualidade.
Os programas de Cefalometria oferecem todas as análises usuais em Ortodontia, possibilitando a opção de escolha de uma ou mais análises. Fazem a Visualização Computadorizada da Expectativa de Tratamento (VCETO), previsão de crescimento, cálculo de discrepância e tudo o mais que se relaciona com a Cefalometria.
Atualmente, existem dois sistemas diferentes. Um dos sistemas, utiliza a tradicional Mesa Digitalizadora. O outro, dispensa a Mesa Digitalizadora e os pontos são marcados diretamente na tela, com o mouse. Para tanto, a telerradiografia tem de ser digitalizada, o que não constitui problema, pois o Serviço de Radiologia já fornece a telerradiografia digitalizada.
As telerradiografias, com fins cefalométricos, chegaram a uma excelência, em
qualidade de contraste. Porém, continuam com o mesmo problema inicial de 60 anos atrás: sobrepõem-se imagens da anatomia lateral de um lado e o outro da face. Enquanto for mantida esta sistemática, o computador não será capaz de marcar os Pontos cefalométricos. Isto tem de ser feito pelo homem, só ele pode avaliar e ponderar as nuanças que se apresentam. Quase adivinhando, algumas vezes, o homem vai  interpretando a localização dos acidentes anatômicos. Daí que é recomendável  que a digitalização dos Pontos Cefalométricos sejam feitas pelo Ortodontista. Fica difícil, e as vezes até impossível, para o profissional do SDO marcar corretamente os pontos, sem visualizar o paciente.  Já foi comprovado em pesquisas: os erros ocorrem por má digitação dos Pontos Cefalométricos.  Os programas de Cefalometria são absolutamente precisos, tanto os que trabalham com a Mesa Digitalizadora quanto os que se marcam os Pontos na tela do Computador. O erro, que ocorre, com certa freqüência, é sempre do operador.  Portanto, é preferível que o Ortodontista tome a si esta tarefa.
Atendendo à tendência moderna, que nos possibilita a velocidade dos novos computadores, podemos realizar um segmento de uma tarefa em um programa e outro segmento em outro programa. Isto geralmente é feito saindo de programas específicos, transportando o arquivo para programas de utilidade genérica ( os quais têm maiores recursos ) e depois voltando para o programa específico.  Isto é recomendável fazer com os arquivos de Cefalometria Radiográfica, os quais são transportados para programas de utilidade genérica, como o Corel Draw, que tem infindas ferramentas para fazermos a VCETO.
Muito em breve ficarão para  trás as imperfeições das imagens bidimensionais Os sistemas de captura de imagens tridimensionais vêm aperfeiçoando-se, cada vez mais. Breve serão uma realidade inquestionável. Então a Cefalometria computadorizada tomará um novo rumo. Os Pontos Cefalométricos serão marcados pelo computador, eliminando o erro humano e  novas perspectivas de avaliações serão abertas.
Ao escolher um programa para auxiliar no diagnóstico Cefalométrico, devemos considerar diversos tópicos que são importantes sob o ponto de vista ortodôntico. A própria Cefalometria é um auxiliar de diagnóstico, assim como todas as radiografias em Odontologia. Por isto, transformando a radiografia em uma imagem digital estamos fazendo a imagem da imagem; devemos ser exigentes com as radiografias e as imagens digitais delas provenientes, sob pena de alterarmos o objetivo final que é o diagnóstico.
Considerando estas variáveis fundamentais, devemos escolher os meios que preencham os objetivos técnicos de qualidade, tanto na digitalização da radiografia, já obtida com alta qualidade, como no manejo das análises e seus resultados.
Sugerimos os seguintes requisitos necessários nos programas com objetivo de diagnóstico Cefalométrico:
- adequada visualização do tamanho e anatomia da radiografia cefalométrica;
- fornecimento de amplo número de analises cefalométricas;
- possibilidade de visualizar mudanças faciais efetuadas pela Ortodontia e cirurgia-ortognática;
- integração com telerradiografia lateral digitalizada com perfil facial digital;
- predição de crescimento
 

3)Programas Gerenciadores de Imagens
As imagens nos fascinam desde suas origens mais remotas. O homem primitivo expressava sua arte, nas cavernas, com desenhos e pinturas,  e no Renascimento as imagens foram pintadas com grande excelência. Daí passamos pelas imagens fotográficas, que adquiriram movimento no cinema; junto vieram as imagens radiográficas(raios Röegnten) e  mais recentemente as imagens eletrônicas.
Hoje, as imagens radiográficas e fotográficas, que constituem a base da documentação ortodôntica, podem ser produzidas eletronicamente e são facilmente levadas ao computador, e assim continuam a cumprir o papel interpretado pela evolução dos meios de obter imagens: ágil e econômico processo de aumentar a comunicação. Segue a conhecida frase: uma imagem vale mais que mil palavras.
As imagens ortodônticas são gerenciadas através dos computadores obedecendo ao roteiro :
1)Captura da imagem: os meios de captura de imagens são:
    - scanner de mão: baratos, produzem boas imagens, requer treinamento, não é     fácil scanear qualquer tipo de imagem ou texto; não ocupam espaço na clínica
    - scanner de mesa: preços médios e acessíveis, produzem ótimas imagens, fácil manejo e podem scanear texto, imagens e slides, mas ocupam razoável espaço na clínica;
- scanner de slides: preços médios a caros(depende do tipo e dos recursos técnicos disponíveis), produzem excelentes imagens, não ocupam espaço, fácil de manejar, scaneam somente slides e são muito úteis para quem dá cursos, aulas e também para quem necessita dos slides como documentação e/ou prova legal ou perital.
- Cameras digitais: até este momento não se justifica a aquisição de camêra digital para se obter imagens ortodônticas ; entre as razões para optar por esperar por um avanço maior nesta tecnologia estão: que a qualidade das imagens ainda podem melhorar;  os métodos atualmente usados proporcionam imagens de muito boa qualidade; o número de imagens que se pode armazenar numa camêra digital ainda é pequeno, exigindo muitos cartões de memória; que a aproximação das lentes mais acessíveis economicamente ainda não é suficiente para fotos de boca; que os monitores de cristal líquido embutidos na máquina para ver instantaneamente as fotos boas e ruins consomem muita bateria; que se necessita de muitos acessórios e adaptadores para o completo funcionamento da máquina; e, finalmente, que as melhores máquinas, as quais suprem muitos destes requisitos, tem um preço muito acima do acessível.
- Vídeocameras: para se obter imagens através de cameras de vídeo é necessário placas especiais; os recursos proporcionados depende do tipo de placa; as vídeocameras geralmente exigem um espaço especial no consultório, não podendo ser feita na cadeira como as fotos ortodônticas normais; se pode ver a imagem no monitor e escolher qual imagem é a melhor;
2)Manipulação da imagem: Durante a fase de manipulação se procura dar um tratamento  às imagens usando os recursos de saturação, contraste e brilho, bem como adequar o formato e tamanho que é mais conveniente  para a utilidade da imagem. Estes recursos podem vir dentro dos programas de gerenciamento de consultório ortodôntico ou serem usados por programas adquiridos separadamente.
3)Destino da Imagem: após a captura a imagem devemos dar um destino para sua utilização e/ou armazenagem. A seguir damos as opções possíveis:
- salvar(guardar)  em HD, em disquetes para backup(1.4 ou zip de 100Mg ou 1000Mg)
- enviar para programas específicos para Ortodontia que possuem um gerenciador de imagens próprio;
- enviar para programas gerenciadores de imagens (tipo arquivo de imagens), com ou sem recurso de integração com outros programas;
- enviar para programas que editarem  cartas com integração de imagens destinadas a paciente e colegas
- enviar para programas que servem para apresentações de casos, seminários ou cursos;
- imprimir em impressora de jato de tinta colorida (recomendável pelo custo e qualidade);
- receber e/ou enviar via modem (Internet) para pacientes, colegas e serviços de documentação ortodôntica;

 Os programas que servem para gerenciar imagens  devem ser estruturados para proporcionar um rápido processo de adquirir um novo grupo de imagens ou uma imagem isolada, importadas da memória do próprio computador, de um disquete ou de um cd-rom, e/ou através da Internet, e deixar esta imagem à disposição de uma apresentação(slide show), para ser inserida em uma carta para pacientes e/ou colegas, ou para ser usada em um editor de texto para fazer documentos(folders) de orientação e educação dentro da área de Ortodontia, usados dentro do consultório ortodôntico, ou para documentar os casos ortodônticos.
A maioria dos sistemas de arquivos de imagens usa uma estratégia de estoque de imagens onde cada imagem é guardada num arquivo separado no disco rígido. Esta estratégia ocupa muito espaço na memória do disco, quando pensamos em estocar muitos casos ortodônticos, que é uma tendência na rotina do consultório ortodôntico. O ideal seria usar uma única arquitetura para compor o documento e estocar um número suficiente de imagens num único arquivo. Por exemplo, se recebemos ou fazemos 10 imagens de um paciente em pré-tratamento queremos colocar estas imagens em seqüência dentro do gerenciador de imagens ; queremos também que haja espaço suficiente para colocar imagens durante o tratamento e pós-tratamento; o gerenciador de imagens deve ser capaz de unir todas estas imagens em um único documento ou arquivo. As vantagens deste recurso técnico é que se estoca imagens com mais eficiência, há a simplificação para fazer o backup das imagens, e facilita mandar e receber casos pela Internet.
Outro requisito importante necessário dentro dos programas de gerenciamento de  imagens ortodônticas é a possibilidade de fazer fácil estandardização da repetitiva tarefas de agrupar e manipular imagens. O programa gerenciador deve estandardizar automaticamente as manobras necessárias para melhorar as imagens ortodônticas, ainda mais quando este procedimento se torna rotina; isto evitaria que o ortodontista repita as mesmas manobras sempre que necessite incluir novas imagens; estas manobras são:
- recortar cada imagem, retirando as regiões periféricas, como afastadores, lábios e bochechas
- melhorar cada imagem ajustando contraste, brilho e saturação;
- dar nome a cada imagem;
- estabelecer um método de compressão de imagem
Outras ferramentas que um gerenciador de imagens deve proporcionar ao usuário são:
- imprimir imagens
- fazer backup das imagens
- importar  e exportar imagens
- mostrar seqüência de imagens em slideshow; slideshow deve Ter recursos que permitam organizar a seqüência de slides conforme o tipo de apresentação,  dar opções de tempo entre slides, fazer a seqüência andar automaticamente ou quando acionado o mouse, permitir inserir texto nas imagens que aparecem e dispor de efeitos na abertura de das imagens;
- recursos de aumento e diminuição do tamanho da imagens(zoom)
- inversão e redimensionamento das imagens
- rotação horária e anti-horária
- conversão para escala de cinza
- conversão de 24 bit para 8 bit na opção de cores

4) Comunicação no Consultório de Ortodontia
A Informática veio incrementar, de uma maneira muito positiva, a comunicação entre ortodontista e paciente,  o ortodontista e seus colegas e também entre o ortodontista e sua equipe de trabalho (pessoal auxiliar).(5)
Os principais meios disponíveis para tais objetivos são os programas específicos para apresentação da Ortodontia, incluindo animação e simulação; os editores de texto que agrupam texto e imagem, produzindo cartas e folders; os programas de multimídia, que abordam assuntos específicos da Ortodontia; e programas de apresentação, que produzem “slideshows”, envolvendo assuntos diversos e que podem ser criados pelo próprio ortodontista e sua equipe conforme suas necessidades e gosto.
Considerando a crescente demanda  da especialidade Ortodontia, tanto no meio Odontológico como no meio social, nos últimos 5 anos; considerando a diversificação da formação técnica e filosófica dos dentistas em relação à prática da Ortodontia e considerando a necessidade do ortodontista esclarecer ao paciente a complexidade do tratamento ortodôntico, proporcionando a este uma melhor condição de escolha, entendimento e colaboração em relação aos objetivos ortodônticos; considerando que é necessário comunicar a colegas clínicos (que sempre cuidam do paciente), através de laudos,  o Diagnóstico e o Plano de tratamento, dando um resumo dos cuidados técnicos do tratamento ortodôntico; e que esta comunicação também serve a outros profissionais como fonoaudiólogos e  otorrinolaringologistas, vemos nos recursos da Informática um grande auxiliar audiovisual para cumprir a tarefa de comunicar e informar  os conhecimentos necessários que envolvem a Ortodontia. Estamos iniciando uma época em que a qualidade e a atenção ao paciente são as prioridades de todo o consultório.(6) Está terminando o atendimento em que o paciente era examinado, era passível de uma boa anamnese, era solicitado a fazer a  documentação ortodôntica e ao final abordar o  orçamento. Aumentar o conhecimento do paciente em relação ao nosso trabalho como ortodontistas exige mais tempo e métodos de ensino, educação e comunicação. Devemos aproveitar a presença do paciente para instruí-lo permanentemente antes, durante e no final do tratamento. E a Informática e suas ferramentas devem servir de testemunhas técnicas para a realização destas tarefas.

5) Internet
A Internet é uma rede que conecta milhões de computadores e que fornece uma global e mundial  comunicação entre empresas, consultórios, escolas e lares.
A Internet tem crescido explosivamente nos anos 90. Há atualmente mais do que 12 milhões de servidores na Internet, cada um fornecendo algum tipo de informação ou serviço. O número de usuários é mais difícil de medir, mas a própria Internet cresce 24% ao mês, e se calcula que movimentará cerca de 7 trilhões de “emails”(eletronic mail) até o ano 2000.  O mais popular serviço na Internet, o “world wide web”,  tem
acelerado o crescimento da Internet porque  possibilita um fácil uso, uma interatividade e combina gráficos, texto, som e animação formando um rico meio de comunicação.
A influência da Internet no consultório ortodôntico se refere ao uso:
A) a curto prazo:
- email: email é o sistema postal da Internet; é por este meio que se pode mandar mensagens, imagens, sons, vídeos, em arquivos isolados ou combinados; podemos usar o email para receber documentação ortodôntica, enviá-la para pacientes ou colegas, mandar mensagens de todos os tipos para pacientes ou colegas;
- compras: o ortodontista pode fazer compra de material ortodôntico através da Internet, usando o email ou as Home Pages( Home Page  das empresas)
- atualização: é instantâneo entrar em contato com novas pesquisas e trabalhos, que constantemente em todas as Universidades de Ortodontia do mundo estão sendo produzidos; muitas Home Pages de Associações, Universidades, Revistas e “Journals” fornecem artigos e teses, por onde se pode obter novas informações proporcionando ao Ortodontista uma atualização muito rápida.
B) a longo prazo:
- poderemos estocar todos os dados de nossa clínica no provedor da Internet da nossa escolha;
- rodar programas de Ortodontia fora do computador, pois este virá através da Internet
- cobrar pacientes, criando e-payment(email de pagamento) e o e-bill(email cobrança).

CÓPIAS DE SEGURANÇA (BACKUP)

Cópias de Segurança ou backup é o procedimento que envolve salvar dados, armazenados constantemente no disco rígido (HD ou winchester), em disquetes ou discos de cd-rom. Cópias diárias devem ser feitas sistematicamente, principalmente quando ocorre um sinal de falha no HD. Tendo-se dois HD no mesmo computador pode-se fazer o backup no segundo HD. Tendo-se dois computadores ligados em rede, é preferível que o backup seja feito no computador secundário, e não no servidor. Outra alternativa, quando temos arquivos pequenos, como os de textos, é fazer as cópias em disquetes de 1.44. Em arquivos de imagens, com tamanhos maiores que 1.44 megas, se pode usar os disquetes de 100,de 1000 ou 2000 megas. Para arquivos definitivos, ou seja, que não se pode e não se quer mais modificar, é aconselhável usar discos de CD-Rom, onde cabem 690 megas em cada cd.
Os discos de 100, de 1000 ou 2000 megas são uma excelente solução para armazenar arquivos grandes. Os discos são regraváveis , sua velocidade de transporte é muito superior aos disquetes comuns, quase tão rápido quanto um HD comum, e tem ainda a possibilidade de que programas possam ser executados a partir do próprio disquete.
 

CONCLUSÕES

A evolução da nossa vida cotidiana acontece passo a passo, mas o que estamos viviendo é uma revolução feita por ondas de transformação. Estes novos tempos, que incluem grande desenvolvimento tecnológico, é um tempo em que as fronteiras começam a desaparecer: todas as fronteiras foram quebradas com a Internet, pois os computadores mandam mensagens diretamente ao outro lado do mundo e o outro lado do mundo fica mais perto. Fica mais perto também a comunicação interpessoal, bem como o ganho em informação e conhecimento.
A Ortodontia tem utilizado de maneira brilhante a evolução tecnológica, usando-a para valorizar o paciente e o benefícios que eles podem receber, a própria evolução científica da Ortodontia e seus resultados.
Com tanta evolução desenvolvendo-se tão rapidamente logo haverá pessoas que utilizam a informática diferenciando-se das pessoas que não utilizam a informática. E não será diferente na Ortodontia.
Começar a  usar ferramentas da área da informática requer um esforço e conhecimento a mais, considerando o tanto de saber científico que um especialista em Ortodontia deve acumular para obter bons resultados.
Seguir um caminho, protocolo ou diretriz vem facilitar e incentivar a quem reconhece na informática um aprimoramento profissional.
 

Bibliografia:

1. Gates, b. A estrada do Futuro. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.
2. Rodrigues, P.R. O Desafio do 3° Milênio. Caxias do Sul: Editora Mercados do Sul, 1997.
3. Pereira, C.B. Introduçào à Informática na Odontologia. São Paulo: Pancast, 1996.
4. Petrelli, Eros; Baptista, João M. Ortodontia- fundamentos em Cefalometria Clínica. Editek , Curitiba, PR, 1° ed.1997.
5. Castro, Marco ªS., Manual Prático de Marketing para Cirurgiões-Dentistas. Gráfica Vicentina Ltda, Curitiba, PR, 1998
6. Morais, Carlos Roberto Caproni.  Marketing Interpessoal: o contato direto com o paciente - 3ed. - Belo Horizonte: s. ed. 1998 219 p.