TRANSCRITO DA REVISTA "ORTODONTIA", ÓRGÃO OFICIAL DA SOCIEDADE PAULISTA DE ORTODONTIA - N 44 - Julho/Agosto 1996

DEMONSTRAÇÕES ELETRÔNICAS

Dr. Cléber Bidegain Pereira, C.D.

Repetidamente tenho escrito e falado na importância das imagens eletrônicas, as quais, paulatinamente, vêm substituindo as fotografias tradicionais. Sem dúvida, esta é uma realidade definitiva e inquestionável. Em futuro próximo, as imagens eletrônicas imperarão absolutas. Já na atualidade, dispomos de todos os meios necessários, e as vantagens dessas imagens superam largamente as poucas desvantagens que há em relação ao antigo método. A supremacia delas é infinda, especialmente no armazenamento e pesquisa; na perenidade e quase indestrutibilidade, e na facilidade em fazer cópias idênticas. Incorpora-se, agora, rapidamente, entrando em nosso cotidiano, a transferência de imagens via modem. Na moderna estrada da comunicação, só transitam imagens eletrônicas, papéis e transparências não são transportados por essa estrada. Da mesma forma, vêm fazendo-se valer as demonstrações eletrônicas. É possível ter um curso inteirinho em um só CD-ROM, que cabe em nosso bolso. Não há justificativa para carregar volumosos carrosséis, com slides à moda antiga. Realmente, não se pode deixar de utilizar este fabuloso avanço da técnica. O propósito, principal, deste escrito é evidenciar como é fácil, e está ao alcance de todos, montar uma DEMONSTRAÇÃO ELETRÔNICA, a qual pode servir para apresentações docentes ou como material de informação no consultório, afim de esclarecer pacientes e pais. Antes de tudo, é necessário dizer que, para montar uma demonstração eletrônica, não são necessários equipamentos especiais nem conhecimentos avançados de informática. Na verdade, aqueles que querem, pessoalmente, capturar as imagens necessitarão algum equipamento especial e terão de investir neste sentido. Mas, pode-se ter as imagens eletrônicas usando serviços de terceiros. Seja utilizando a Metodologia ABUCO (*), ou delegando, para empresas especializadas, a tarefa de digitalizar nossos velhos slides e fotografias, do sistema antigo para imagens eletrônicas. De uma maneira ou outra, tendo as imagens eletrônicas, o procedimento de montá-las é simples. Requer-se, no entanto, bom gosto, imaginação e conhecimento do tema, o que certamente não faltará a quem se propuser no intento.

O equipamento é o corrente da atualidade. Considerando que depois da chegada do Windows 95 e dos novos programas especiais para ele, são necessários computadores com maior performance. O mínimo que se pode ter é um DX 100 com 8 MB de memória RAM. O ideal é um Pentium 100, ou mais, com 16 RAM ou 32 de RAM. A Placa Controladora de Vídeo deve manipular 16 milhões de cores. Existe no mercado um elenco de programas próprios para a montagem de demonstrações eletrônicas. Alguns deles de nível profissional, que ultrapassam as nossas necessidades e são mais difíceis de manipular. Prefiro trabalhar com o Power Point 7, da Microsoft, e o Scren Cam, da Lotus. Ambos complementam-se muito bem e servem sobradamente para os nossos objetivos. Diga-se, de início, que esta nova versão do Power Point, que só roda no Win 95, superou a antiga, com significativas vantagens. Está mais fácil a manipulação, bem mais rápido, tanto para gravar, quanto para entrar, e os arquivos gerados são menores. E tem agora efeitos sonoros que valorizam a apresentação. O Power Point, entre outras coisas, possibilita colocar uma série de slides, filmes e figuras em seqüência, enriquecidos com variados efeitos de movimento e som. Abrindo-se o programa, clica-se em ARQUIVO - NOVO - Depois em INSERIR, abre-se uma Caixa de Diálogo, onde se escolhe o que se quer inserir: desenhos do Clip Art, filmes ou figuras ( Imagens PCX, JPG e outros formatos) (**). No diretório correspondente, busca-se a imagem, a qual entra direto no quadro aberto. Várias imagens, com tamanhos que se determina, podem ser colocadas no mesmo quadro, no local que se deseja. Da mesma forma, textos podem ser inseridos com formas, tamanhos e cores de livre escolha. Clicando-se com o botão direito do mouse sobre uma das imagens ou sobre um texto, escolhe-se a opção "Configurar animação". Na Caixa de Diálogo correspondente, escolhem-se efeitos de transição para a entrada da figura ou do texto; a ordem de entrada , no caso de serem mais de uma, e o efeito de som que se quer aplicar. (***). Passa-se ao quadro seguinte clicando em INSERIR - NOVO SLIDE e repete-se a operação. Há aí a alternativa de colocar efeito de transição de slides, com novos sons. Isto se encontra em FERRAMENTAS - TRANSIÇÃO DE SLIDES. Assim, segue-se indefinidamente, compondo quantos quadros sejam necessários para a apresentação. O Sreen Cam é ainda mais simples. Esclareço que a Versão 1 pode ser lida pelo Win 95. Mas somente a versão 2.1, que está dentro do Smart Suite 96, trabalha no Win 95. Ela ainda não foi traduzida para o português. Mas pode ser conseguida por encomenda nas casas do ramo.

O Screen Cam abre uma Caixa de Dialogo semelhante aos toca-fitas, a qual é explicativa por si só. Ele grava tudo o que acontece na tela do computador e, também, nossa voz, se falarmos em microfone. Com o Screen Cam gravando, pode-se abrir qualquer programa e, aí, fazer a demonstração "ao vivo". É excelente para demonstrações explicativas. Você deve iniciar uma montagem eletrônica. Comprovará que poderá fazê-la. Terá grandes satisfações com os resultados que são, realmente, lindos.

Uruguaiana (RS), 4 de Julho, 1996

(*) É o método em que arquivos eletrônicos, capturados pelos Centros de Documentação Ortodôntica, com programas de utilidade específica, são transferidos ao ortodontista com possibilidade de manipulá-los em programas de utilidade genérica.

(**) Formato CDR, do Corel Draw, pode ser exportado para PCX ou JPG ou inseridos através do Clip Board ( memória do Computador - EDIT - COPY - PASTE ).

(***) Existem CDs com grande variedade de efeitos sonoros e é possível gravar o que se quiser, inclusive nossa voz, inserindo da mesma forma na apresentação. Também se encontram à venda CDs com Clip Art e pequenas animações, os quais podem ser utilizados na montagem da demonstração.