TRANSCRITO DA REVISTA CLAUDIA N 9  ANO 41 - SETEMBRO 2002

Herpes:

Além de provocar dor, ele é antiestético e altamente transmissível.  Mas a solução está bem perto. Até o final do ano, um novo remédio, que inativa o vírus, deve chegar ao Brasil
 

Rachel Camplello

Para quem sofre de herpes, uma boa notícia: nos próximos meses deve chegar ao mercado um medicamento chamado ViraMedx. Extraído de uma planta, a viracéa, e1e vem sendo testado no Brasil nos últimos dois anos anos pelo professor de estomatologia da Universidade da Cidade de São Paulo Silvio Boraks. A pesquisa. encomendada pelo fabricante americano da droga. envolveu 800  pacientes e obteve bons resultados em todos eles. Até agora. o problema não reapareceu em nenhuma das pessoas medicadas. O remédio entra no mecanismo do vírus e o toma inativo. enquanto os medicamentos disponíveis apenas atenuam as crises. " A vantagem é que o vírus nunca mais se manifesta". diz Boraks. O herpes coça,  arde e provoca pequenas feridas por mais de uma semana. Além do desconforto, é preciso lidar  com o constrangimento de ficar corn o rosto marcado durante esse período já que os labios são um dos alvos preferenciais. Existem dois tipos de vírus: o Herpes simplex 1 é transmitido pelo ar ou por contato e o Herpes simplex 2 no ato sexual.   Eles podem surgir sem nenhum sintoma prévio. A questão a se proteger e contornar as crises.
Ambos os víms são amplamente transmissíveis: 95%  das pessoas entram em cantato com eles, mas apenas 10 % dos portadores desenvolvem a doença. O simplex 1 se manifesta da cintura para  cima e o 2 da cintura para baixo.  Eles infectam tanto os lábios como a vagina ou qualquer outra parte do corpo. Na boca, o maior inconveniente é a estética.
 
 

                       PARECE MAS NAO É
Embora o name seja parecido e as sintomas sejam idênticos, o herpes-zoster 
não tem parentesco corn as vírus causadores do herpes. Ele e provocado pela 
varicela, o mesmo da catapora. No infância, a facilmente tratado, man se aloja 
non gânglios. Quando a pessoa já e adulta ? sem motivo aparente ou par baixa 
resistência ?, pode ressurgir. Quando isso acontece, ele acompanha as terminapoes 
nervosas a provoca desconforto a bolhas. O problema dura ate dez dial e e 
transmissível enquanto as feridas estiverem abertas. De acordo corn o dermatologista 
Maria Grinblat, o herpes?zoster a extremamente doloroso pare as pessoas idosas. 
O tratamento a feito a base de aciciovir e derivados, alem de analgésicos

Se atingem os olhos podem levar àlever a cegueira. Já nos genitais, a preoocupaçãop é que  nem sempre as lesões ficam  expostas. Isso dificulta o diagnóstico e aumenta o risco de contrair outras doenças.
Saber quando o vírus vai provocar ferida, é impossível.  Principalmente porque em cada pessoa ele surge com uma frequência diferente. " Temperaturus elevadas, sol. rnenstruação, haixa imunidarle e até estresse podem desencaclear o problema.",  explica o infectologista  David Uip, do Hospital Sirio-Libanes. de São Paulo. Alguns portadores reconhecem o incômodo antes de a lesão aparecer a interompem o processo com pomadas especificas. Quando isso não ocorre, o tratamento a feito com rnedicamentos  à base de aciclovir e seus derivados,  que retardam a multiplicação e diminuem  a intensidade do vírus.
Nas crises, recomenda-se não utilizar hatom e copos de outras pessas, nao heijar, evitar contato sexual e lavar as mãos sempre que tocar o local contaminado. Quem sofre corn varios surtos durante o ano pode-se prevenir tomando uma dose reduzida do remédio por quatro meses. O dermatolonista Mário Grinblat, do Hospital Albert Einstein, de São Paulo, alerta sabre o risco de utilizar pomadas com cortisona. "Elas alimentam o virus,  aumentam a quantidade de lesões e tornam o tratamento no futuro mail difícil",  explica.