AUSÊNCIAS DENTÁRIAS CONGÊNITAS
 
As ausências congênitas, de uma maneira geral, apresentam duas possibilidades de tratamento:
FECHAR ESPAÇOS ORTODONTICAMENTE OU COLOCAR
IMPLANTES E/OU PRÓTESE.
Evidentemente, cada caso é um caso. Porém, há tendências e correntes definidas. Apresento, a seguir, alguns casos que podem servir para debates e manifestações de opiniões. 
AUSÊNCIAS CONGÊNITAS
CASO NO 1
 
 
 
 

Há ausência congênita dos incisivos laterais superiores e os caninos ocuparam o seu lugar. Os caninos decíduos estão com as raízes reabsorvidas, impossibilitando sua permanência.
A paciente tem 16 anos. Presentes os quatro terceiros molares.
Pela fotografia da face, em norma lateral, pode-se avaliar que o perfil está bom. Positivamente não esta indicada retrusão incisal.
Pode-se dizer que a D.C. =  zero.
 

Alternativas de tratamento:

1 - Fechar espaços na arcada superior ou esperar que os caninos decíduos caiam e então colocar implantes e próteses ?
2 - No caso de fechar espaços no superior, romper a maravilhosa Classe I e levar para Classe II ? Ou extrair prémolares inferiores e correr, para mesial, todos os quatro segmentos laterais ? Mantendo a Classe I ?
3 - Haveria outra solução ?


Consultei 2 proeminentes colegas. Um deles optou pela colocação de implantes e outro pela mesialização dos segmentos posteriores superiores, considerando isto um desafio.


                          Optei pelo desafio de fechar os espaços...