VIAGEM AO PERU

A viagem de Hilde e eu para o Perú foi motivado pelo convite de um Congresso para eu ditar curso em Congresso que acontecia em Lima, promovido pela Sociedade Peruana de Ortodontia.
Mas, nós tínhamos dois outros motivos fortes para voltar a visitar o Peru.
O primeiro é que tenho lá uma prima irmã, Teresinha, filha do Tio Carlos e Tia Zaida, que mora em Lima com sua família.
Vale contar que Teresinha era estudante de Arquitetura na UFRGS e havia um peruano, seu colega de aula, José Rozas, os dois se apaixonaram....  e casaram quanto terminar o curso....   Coisas do amor.
Os pais de Teresinha, reagiram um pouco contra. Não que tivessem nada contra o rapaz,  o qual  demonstrou, durante todo longo namoro e noivado, ser excelente pessoa, vindo de boa família.

 

O problema é que pressentiam que ela iria para ficar no Peru, longe deles.  Um egoísmo natural dos pais.  Mas, a força do amor de José e Teresinha, foi mais forte.  José não aceitou as propostas que lhe fizeram para ficar em Porto Alegre, inclusive como professor na UFRGS.
O tempo comprovou que eles estavam certos. Formaram uma maravilhosa família, como se pode ver na foto atual al lado.  Até hoje nos correspondemos e amamos, ainda que distantes.
Uma peculiaridade destes acontecimentos.  Tia  Zaida morreu e Tio Carlos acabou indo para o Perú e sendo abrigado e cuidado pela família peruana. Viveu além dos 101 anos e cercado do  carinho da filha, genro e toda a família.

O segundo motivo que me levou a aceitar o convite do Congresso Peruano foi minha vontade de examinar os Incas que viviam na montanha.

O Congresso foi muito gratificante a o convívio com a família e primos peruanos melhor ainda.

Terminado o Congresso, tomamos um avião  - Hilde sempre contente abraçando as minhas proposições, algumas vezes sonhadoras - fomos para Cusco, a 3 mil metros de altura. Tínhamos a recomendação de ficar algumas horas em repouso no hotel, tomando chá de coca, afim de nos adaptarmos a mudança brusca de altitude, já que Lima está ao nível do mar.  Não demos muita importância para as recomendações de repouso, mas o chá de coca tomamos. Estávamos ansiosos para ver este novo mundo que se apresentava.

Alugamos um helicóptero e sobrevoamos Machu Picchu e a região dos Incas.


 

      Ficamos deslumbrados com Machu Piccho.
A civilização pré Colombiana que existia ai era muito avançada.  De Custo até Machu Piccho sobrevoamos o Vale do Sol com o helicóptero.  O clima no Perú é extremamente árido, mas neste vale corre um pequeno rio com o qual são irrigadas as terras ribeirinas e há grande fertilidade.

Também alugamos um auto e fomos para o interior de Cusco,  onde estavam os Íncas em seu estado natural, com pouco aculturamento.  Não conseguimos fotografar os dentes deles,  pois houve dificuldade com a língua. Naquela época, nestes locais, afastados de  Cusco  não falavam espanhol e sim o quechua, língua nativa, da qual não entendemos nem um só palavra.  Resultado:  não conseguimos nada....

       Veja a forma primitiva como cortavam a madeira.
Saímos de Lima, ao nível do mar, e subimos a cordilheira em uma bela estrada assaltada. Em 150 Km estávamos no ponto mais alto da estrada, 5 mil metros, em Ticlio.   Também tínhamos recomendações de cuidado, nos 5 mil metros o ar é muito rarefeito.  A mudança brusca, em poucas horas, poderia causar problemas.  Porém, éramos muito jovens e não sentimos nada....


O clima é seco e a vegetação é mínima, em compensação as montanhas são ricas em  minerais de cobre, prata, arsénico, ouro e outros minérios.  Dai que há estrada de ferro que chega até  4.818 metros, a mais alta do mundo.

Lima é uma cidade bonita, com muitos jardins, porém todo o verde é plantado e irrigado são jardins bem tratados, fora disto tudo é árido.
Um acontecimento que me vem a lembrança.  José e Teresinha vieram ao Brasil e viajaram até Uruguaiana, onde estava morando,  tio Carlos e tia Zaida, depois que ele se aposentou da universidade, onde era professor. Saíram de Lima e chegando em Porto Alegre vieram direto para Uruguaiana, em um onibus leito noturno.  Quando amanheceu o dia, pois que o filho pequeno, que aparece na fotografia, acordou e viu a paisagem. Deslumbrado, comentou com o pai:  mira papá, todo es jardim....