TRANSCRITO DA REVISTA "ORTODONTIA", ÓRGÃO OFICIAL DA SOCIEDADE PAULISTA DE ORTODONTIA - N 20; Jul./Agos. 1992

MEDIDAS NORMAIS EM CEFALOMETRIA

Dr. Cléber Bidegain Pereira

É sempre difícil determinar o que é normal nas coisas da natureza. Mais difícil quando se pretendem estabelecer valores quantitativos normais, em seres vivos, especialmente o homem. No entanto, conscientes dessas dificuldades, em Cefalometria Radiográfica necessitamos de referências, ditas normais para determinar parâmetros comparativos. Porém, deve-se ter presente que, para manipular estes valores, é necessário mergulhar, em profundidade, no conhecimento da interpretação cefalométrica. Protocolos e medidas cefalométricas pouco ou nenhum valor tem, quando se desconhece o seu verdadeiro sentido.

Encontra-se, na literatura, um elenco de conceitos de normal, nem sempre esclarecedores. Alguns se atém, somente, ao normal estatístico, que é aquele que se apresenta com maior freqüência em determinado grupo. Outros valorizam, com mais ênfase, o aspecto fisiológico, o qual está diretamente ligado à saúde.

Referente a conceito de saúde, registramos aqui o de Péricles, (495-429 a.C.): "Saúde é o estado de bem estar moral, mental e físico, que permite ao homem enfrentar todos os problemas da vida com o máximo de facilidade e elegância".Esta é, sem dúvida, uma conceituação fisiológica, que deve ser altamente considerada. Porém, na Cefalometria, também deve ser levado em conta o aspecto estatístico e estético, nem sempre interdependentes.

ASPÉCTO FUNCIONAL - Algumas grandezas, ou relações entre grandezas, têm valores normais que são imposições fisiológicas. É o caso das relações postero-ânterior e transversal, entre maxila e mandíbula. Ainda que o normal de 2° para ângulo ANB tenha elasticidade, há limites para o bom relacionamento entre as estruturas maxila-mandíbula, fora dos quais ocorrem prejuízos na funcionalidade.

ASPÉCTO ESTÉTICO - A estética é dependente de conceitos determinados por grupos étnicos. Porém, a influência das artes e a disseminação da cultura global, decorrente da proliferação dos sistemas de comunicações, determinam conceitos estéticos universais, os quais são incorporados à cefalometria, adicionados das imposições fisiológicas.

Portanto, as medidas cefalométricas normais devem ser avaliadas, não como valores absolutos, porém, como valores relativos, de tal forma que o balance esquelético final propicie as condições fisiológicas para a BOA OCLUSÃO DENTÁRIA e atendem as tendências estéticas, no entendimento da população em que vive o indivíduo.