TRANSCRITO DA REVISTA "ORTODONTIA", ÓRGÃO OFICIAL DA SOCIEDADE PAULISTA DE ORTODONTIA - V. 4; N 1; Jan./Abril, 1971

A DENTADURA DE ABORIGENES BRASILEIROS

CAMPUS AVANÇAD0 DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - R.S. - PROJETO RONDON

(Nota Prévia)

Dr. CLEBER BIDEGAIN PEREIRA
Dr. JULIO BARRANCOS MOONEY
Dr. ASTOR RIESINGER
Dr. ASTOR SERGIO RIESINGER

AMOSTRAGEM:

Foram examinados 150 aborígenes brasileiros, da Família Yanomany, racialmente puros, que vivem em seu ambiente autêniico, com um nínimo de aculturamento.

OBJETIVOS:

Qualificar a dentadura do homem, no atual estado de evolução, com hábitos alimentares e higiênicos iguais ao do homem primitivo. Relacionar os resultados obtidos com pesquisa que realizamos em crânios de aborígenes primitivos da Patagônia.

DOCUMENTAÇAO:

1 - Fotografias: Intra-orais 301 ------- Perfil 125 ------------ Frente 81

2 - Modelagens: 28 arcadas de casos que caracterizam os grupos.

3 - Fichas individuais, onde anotamos:

a) Oclusão: Índice Canadense ( Itens 16 a 24). Indice do National Institute of Dental Research.

b) Perda de dentes ou destruição de coroa.

c) Angulo goníaco (avaliação)

d) Relação dos rnaxilares ( avaliação ).

e) Abrasão cervical - Indice de Davies

f) Desgaste oclusal - Índices de Davies, Broca e Padersen.Superfícies oclusal (esfera) - Simetria atrícional.

g) Saúde Periodontal - Periodontal Disease Index (PDI).

CRITERIO DE IDADE
Adolescentes 13 - 18 Adulto 19 - 20
Maduro 30 - 49 Senil 50 ou +

EXAMINADOS

Catrimani Surucucu Tototobi
--M----F-- --M----F-- --M----F-- Totais

Adolescentes

- 18 -- 05 - 10 -- 10 - 03 -- 10

56

Adultos

- 09 -- 02 - 04 -- 10 - 06 -- 07

38

Maduros

- 09 -- 04 - 03 -- 04 - 05 -- 08

33

Senis

- 03 -- 04 - 04 -- 03 - 05 -- 04

23

Totais

- 39 --15 - 21 -- 27 - 19 -- 29

150

54

48

48

ALIMENTAÇÃO:

Relacionou-se a alimentação de cada local, tendo em vista, principalmente, sua exigência mastigatória. Foi pesquisada a obtenção, preparação, divisão e mastigação dos alimentos.

O trabalho nos índios foi realizado com a nossa permanência nas Missões de Tototobi, Surucucu e Catrimani. Percorremos mais de 1.200 Km, em avião monomotor, partindo de Boa Vista, capital de Roraima. Fizemos cêrca de 30 horas em canoas a remo e 25 horas em marcha a pé, para atingirmos locais de agrupamentos indígenas. Alguns exames foram realizados na própria "maloca "dos índios e até mesmo em pleno caminho na selva.

Missão Tototobi - Novas Tribos - Alto do Rio Tototobi, afluente do Demini, norte do Estado de Amazonas, fronteira com a Venezuela, 420 km de Boa Vista, em linha reta.

Missão Surucucu - Missão Evangélica da A,azônia - Serra dos Surucucus, alto do Rio. Parima, Território Federal de Roraima, fronteira com a Venezuela, 380 K de Boa Vista, em linha reta.

Missão Catrimani - Católica, Ordem da Consolata - Médio Rio Catrimani na cachoeira do Cujubin, Território Federal de Roraima, 240 Km. de Boa Vista, em linha reta.

NOTA: A pesquisa foi ralizada no ano de 1970.