Divulgação da Certificação Digital em diversos veículos de notícias


André Lemos

Algumas matérias que saíram na mídia sobre as tecnologias e as soluções da Certificação Digital:

Jornal Estado de Minas

Digitalização - Prefeituras Transparentes

A Stoque Global Services, empresa belo-horizontina especializada em soluções para documentos impressos e eletrônicos, apresenta esta semana uma ferramenta tecnológica dirigida especificamente para gestores e administradores públicos. Batizada de Gestão Digital, ela oferece digitalização de documentos junto com certificação digital, garantindo validade jurídica à documentação. A idéia é garantir transparência, agilidade e segurança aos administradores, especialmente de prefeituras municipais.
Para André Lemos, consultor da Stoque Global Services e especialista em certificação digital, uma das grandes preocupações atuais refere-se ao armazenamento de dados de forma ordenada e segura, ressaltando que, de acordo com a Association for Information and Image Management (AIIM), nos últimos 50 anos a humanidade produziu mais informações do que nos cinco mil anos anteriores. Até 2010, o conteúdo informativo deve multiplicar a cada 11 horas. “Estudos da International Data Corporation (IDC – EUA) revelam que os escritórios criam cerca de 1 bilhão de páginas de documentos por dia”, acrescenta.
Nesse contexto, as prefeituras brasileiras também enfrentam o mesmo problema, uma vez que a maioria de suas documentações não integra um banco de dados. Sem uma forma adequada de armazenamento, muitos documentos podem ser extraviados, dificultando aos gestores a prestação de contas. “Ferramentas de GED (Gerenciamento Eletrônico de Documentos) geralmente permitem apenas a digitalização e o controle de documentos, sendo um aplicativo útil para sanar problemas pontuais de setores específicos das empresas. Já o Gestão Digital, oferecido agora pela Stoque, integra as necessidades dos gestores municipais com as atuais tecnologias de mercado. Trata-se de um aplicativo produzido tendo em vista a Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000), que estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal.
Viabilidade André Lemos ressalta que o baixo custo hoje de uma digitalização, comparável o preço de simples impressões de cópias em papel, tornou viável a adoção do processo por prefeituras (ou empresas) de qualquer porte, especialmente as pequenas, geralmente com poucos recursos até para manter arquivos. “Com o processo, é possível se fazer backup de segurança garantindo para sempre a preservação do documento. Papéis guardados em órgãos públicos que se perdem, por exemplo, em incêndios, deixando a administração descoberta passa a ser fato do passado. Da mesma forma, quando o Ministério Público cobrar de um ex-prefeito uma documentação de anos atrás, ele simplesmente pode apresentar um CD, ao contrário de tentar localizar pilhas de papéis”, diz.
O pacote oferecido pela empresa é composto basicamente por um CD ou DVD com sistema de visualização de imagens, além de 10 mil documentos digitalizados, com certificação digital e validade jurídica. Segundo o consultor da Stoque Global, o Gestão Digital apresenta benefícios como agilidade no manuseio de documentos, além da segurança de uma gestão coerente com os meios públicos e fiscais. “O administrador passa ter à disposição documentos armazenados válidos, que são autenticados com reconhecimento de assinatura em cartório (Fé Pública). Fato inédito do sistema é que, quando for necessário apresentar algo, o software mostra simutaneamente a imagem real da documentação, a sua autenticação digital e, ainda, a cópia do tabelião atestando a sua originalidade”, informa André Lemos.
O preço do serviço fica a depender da demanda e tipo de documentos para digitalização, lembrando que cada cópia, como nas impressões tradicionais, custa apenas alguns centavos. (SS)

Sobre o produto e contratação de serviços: www.stoque.com.br


Agência Nacional de Águas

Imprensa

Prezados Senhores,
Solicito divulgar os anais e as fotos do Workshop sobre GED e Gestão de Documentos na Administração Pública e Privada.
Andréia Castro.
CEDOC/SGE/ANA

www.ana.gov.br/SalaImprensa/noticiasExibe.asp?ID_Noticia=124


Revista Veja - 10/05/06

Justiça

Cumprimento VEJA pela reportagem "É a copiadora, ministros!" (3 de maio), que nos alerta não apenas sobre a morosidade dos processos judiciais e sua contribuição para o clima de pizza e impunidade, mas também sobre as soluções inteligentes e disponíveis para o problema, citando a reprografia em quarenta cópias autenticadas. Porém, advirto que, se fosse feita uma digitalização (com scanner) e assinatura digital da cópia com certificado ICP Brasil, já amplamente utilizada pelo governo, o custo seria ainda quarenta vezes menor, e seus benefícios, ampliados.
André Lemos
Belo Horizonte, MG

Jornal Hoje em Dia

Corrida à identidade virtual

André Lemos defende que certificação digital pode diminuir custos e ainda aumentar a receita das empresas

Livrar os contribuintes das filas e reduzir o excesso de papel é o que pretende a Receita Federal ao incentivar a adoção da versão eletrônica do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica e Cadastro de Pessoa Física, mais conhecidas como e-CNPJ e e-CPF. Motivação que vem na forma de liberação mais rápida da restituição do Imposto de Renda, liberação de várias consultas através da Internet, emissão de comprovantes de arrecadação e até retificação de documentos. Por isso, apesar de não existir uma data limite para a aquisição da identidade virtual, especialistas estão prevendo que os escritórios de contabilidade vão iniciar uma corrida ao e-CNPJ visando melhor atenderem aos seus clientes.
“Recomendamos aos escritórios de contabilidade que se antecipem”, enfatiza o presidente do Sindicato das Empresas de Consultoria, Assessoramento, Perícias, Informações, Pesquisas e Empresas de Serviços Contábeis no Estado de Minas (Sescon-MG), João Batista de Almeida. Ele lembra ainda que a tendência é que os órgãos públicos também informatizem ao máximo seus processos, contexto no qual o certificado digital será indispensável.
Hoje, a Receita Federal já exige o e-CNPJ para a entrega de das declarações de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTFs) mensais, para empresas que faturam mais de R$ 30 milhões por ano. Para as outras não há legislação que obrigue a certificação digital.
Contudo, criar uma obrigação não parece ser a intenção do órgão e sim convencer a adesão através da explicitação das facilidades. ‘A certificação digital rompeu com as limitações do atendimento virtual e facilitou ainda mais a integração entre Receita e contribuinte”, assina a superintendente do órgão em Minas Gerais Lêda Domingos Alves.
Ela lembra que a Internet ainda é um espaço muito vulnerável para que as informações financeiras das pessoas e empresas transitem sem proteção extra e, com a certificação digital, todas as restrições existentes foram abortadas.
Isto porque o CNPJ ou CPF eletrônicos são compostos por chave eletrônica única criptografada que identifica o titular e vale como sua assinatura. Esta chave é inviolável e não pode ser copiada. Além disso, uma vez certificado, o documento não pode ser alterado, apagado ou violado.
“A certificação é uma forma eletrônica de dar fé pública à documentação. Além disso, o processo diminui custos e pode aumentar a receita da empresa. É uma forma de agregar valor aos serviços‘, assegura o consultor da Stoque Global Services André Lemos, empresa especializada em soluções para digitalização e certificação digital.

Caminho sem volta

Para Paulo César Consentino dos Santos, presidente do Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais (CRC_MG), e que trabalha há 42 anos na área, a certificação digital nos escritórios de contabilidade é um caminho sem volta. ‘O processo veio para coroar a era da informatização. É a possibilidade de haver comunicação entre os contribuintes e os órgãos governamentais. E o melhor, com validade jurídica‘, defende.
Outra vantagem de acordo com Santos é a resolução de trâmites burocráticos que antes levava dias. Com a certificação digital podem ser resolvidos em minutos. ‘Antigamente era preciso chegar de madrugada na fila, pegar uma senha e aguardar ser atendido no balcão. Isso demandava horas e até dias‘, explica o presidente do CRC-MG.
Paulo César dos Santos diz que o custo-benefício da informação digitalizada também vale a pena e que os contabilistas têm recebido bem o processo. Ainda de acordo com ele, existem, em Minas Gerais, aproximadamente 90 mil profissionais registrados no Conselho e, desses, cerca de 50 mil estão ativos. Deles, nem 10% ainda trabalham com a certificação digital. ‘O Conselho está divulgando maciçamente o processo de certificação digital para que nossos profissionais tenham ciência. Essa campanha abrangerá jornais, newsletters e Internet‘, explica Santos.
O contador Lafayette Vilella de Moraes Neto, proprietário da Previsa Contabilidade, trabalha há 24 anos na área e é um adepto à certificação digital. ‘No escritório não imprimimos declaração do Imposto de Renda, por exemplo. Geramos dele um documento eletrônico e enviamos, via Internet, para autenticação em um cartório. Isso agiliza o processo operacional e diminui custos‘, defende Lafayette.
Trabalhando há dois anos com certificação digital, Lafayette de Moraes Neto atende na sua empresa 300 clientes e, atualmente, 40 deles já possuem certificado digital. ‘Ainda neste ano queremos atingir a meta de 20% dos nossos clientes com certificação‘, estima.
Segundo o contabilista, a maioria dos seus clientes desconhece o processo digital e, que alguns deles, podem até oferecer resistência ao procedimento por causa desse desconhecimento.
© 2006 Cléber Bidegain Pereira. Todos os direitos reservados.