TRANSCRITO DA REVISTA "ORTODONTIA", ÓRGÃO OFICIAL DA SOCIEDADE PAULISTA DE ORTODONTIA - Ano IV - N 34; Nov./Dez. 1994

II SIMPÓSIO DE INFORMÁTICA NA ORTODONTIA E ORTOPEDIA

Não consigo deixar de falar no extraordinário êxito do II SIMPÓSIO DE INFORMÁTICA NA ORTODONTIA E ORTOPEDIA MAXILAR. Embora temeroso do pecado da vaidade, sei que posso fazê-lo, pois na qualidade de organizador, eu apenas fui um instrumento amalgamador, amparado pelo estímulo, força e infra-estrutura do IX CONGRESSO DE ORTODONTIA e da maravilhosa SPO. Tive o mérito, unicamente, de reunir um grupo realmente muito especial, que brilhou pela sua própria resplandecência. Mesmo porque, pode ser redundância, mas não é pecado falar do óbvio. Todos os que atuaram ativamente no Simpósio: os simposiastas, os apresentadores de Mesas Demonstrativas, os ativadores, nossa equipe e eu, estamos "voando a mil metros", tal o nosso contentamento e satisfação por ter cumprido uma missão frutífera. À "equipe de terra" (técnicos que nos ajudaram) desejo fazer agradecimento especial: Ted Pedrosa Negrão, Marcos Martinez Leonardo e Alexandre Peniza.

Estou colhendo subsídios dos que integraram o Simpósio e espero, em breve, poder redigir e publicar as conclusões deste II SIMPÓSlO. Entretanto, não me contenho em adiantar dois comentários de minhas observações pessoais.

Primeiro, ficou definitivamente comprovado que os sistemas de Cefalometria Radiográfica Computadorizada e Gerenciamento de Consultório, aqui desenvolvidos, nada devem aos sistemas alienígenos. Os programas demonstrados no II SIMPÓSIO podem ser apresentados em qualquer parte do mundo, equiparando-se aos melhores sistemas estrangeiros congêneres ou mesmo sobrepujando-os. Além de que, em nossa avaliação, atendem melhor ao que desejamos e necessitamos. Acresce ainda que, estes programas, estão aqui, próximos a nós, sensíveis às nossas sugestões de aprimoramento ou individualização.

Segundo, quero comentar o tema homem-máquina, abordado no Simpósio. Esta polêmica vem de muito tempo, talvez pudesse ter iniciado quando foi inventada a roda...

Acirrou-se com a Revolução Industrial e a primeira linha de montagem de Hei-try Ford e, atualmente, com a robotização. Até então, as máquinas substituíam a atividade humana física. Entretanto, agora, com a entrada dos computadores no cotidiano, capacitados a assumir o trabalho mental repetitivo do homem, traz, realmente, um quadro assustador. deve-se esclarecer, primeiramente, que as máquinas são coisas como são; ao homem, que é inteligente, caberá a sabedoria de bem comandá-las. E é esta grande preocupação dos filósofos e pensadores da modernidade. Os homens, que estão por trás das máquinas, muitas vezes, não estão capacitados para dirigir a sua quase imensurável potencialidade. Estes homens têm altos conhecimentos técnicos e lhes falta, muitas vezes, conhecimentos humanísticos. Ocorreu recentemente um fato, felizmente de pouca importância, amplamente divulgado na imprensa, e que caracteriza bem a preocupação existente. O "Computador" anulou um dos títulos eleitorais duplos daqueles que eram filhos dos mesmos pais, e haviam nascido no mesmo dia. O programadores esqueceram de considerar os gêmeos... Um erro medíocre, entretanto, cometido por pessoal que se supõe altamente habilitado. Receio, mais uma vez, o pecado da vaidade. Porém, pelo que apareceu neste II SIMPÓSIO, vislumbra-se um quadro muito favorável para nós ortodontistas. Os programas e sistemas apresentados refletiram grande sabedoria, elaborados por ortodontistas e técnicos em trabalho comum de brilhante competência.