15 março 2013

Manifestação Arnaldo Pinzan

Publicado por Arnaldo PinzanArnaldo Pinzan

Mestre em Odontologia Ortodontia FOB pela Universidade de São Paulo (USP); Doutorado em Odontologia (Prótese Dentária) pela USP; Professor LIvre-docente da FOB-USP-Bauru em regime de tempo integral; Atua cursos de graduação de odontologia, fonoaudiologia, mestrado, doutorado e especialização; Revisor de periódico da Revista da Pós-Graduação da FOUSP; Revisor de periódico da Brazilian Oral Research; Atuou por 24 anos em consultório particular.

Minha contribuição para o SROOF será o alerta para o uso indiscriminado das modernas tecnologias de imagens e maior cuidado no emprego desse meio de diagnóstico, avaliando com alto critério o custo-benefício.
Pertenço ao grupo de pareceristas do Código de Ética em Pesquisa, da FOB-USP, o assunto de tomadas de tomografias tem sido objeto de acaloradas discussões.
Está muito difícil passar um projeto de pesquisa no CEP da FOB-USP que envolva tomografia, a partir do aprofundamento de interpretação dessa normativa.
No consultório, fica nas mãos do dentista solicitar exames que serão de sua responsabilidade. Para pesquisa, as portas estão muito estreitas. Uma pesquisa que solicitava tomografias do início e final da movimentação de 2º molares inferiores, foi negada no CEP da FOB-USP.
Também foi consenso, no CEP da FOB-USP, que no Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE), seja inserido uma frase alertando os pacientes que “todos os procedimentos normativos de segurança, serão usados durante a obtenção das imagens ionizantes”.
A Professora Izabel, da Radiologia FOB-USP, nos enviou a portaria expedida pela ANVISA, em 1998, instruindo o uso das tomografias como meio de diagnóstico.
Clique aqui para baixar a portaria.
Segundo a Professora Izabel, uma mesma dose de tomografia aplicada a um adulto e a uma criança, tem 5 vezes mais chances dessa criança desenvolver câncer, por tratar-se de energia ionizante e cumulativa.
Há outras formas de diagnóstico que não expõem a tanta radiação ionizante. A telerradiografia e a panorâmica digitais são de nitidez muito superior ao que eram de início.
Por certo que em alguns casos as imagens em 3D são altamente significativas para o diagnóstico como, por exemplo, a nitidez da tomografia em diagnosticar patologias no côndilo, é inquestionável. O diagnóstico correto é sempre desejável, mesmo que, em algumas patologias como erosão do côndilo, ainda não se tenha tratamento adequado.
Pesquisas correlacionam câncer na tireóide com mamografias. (Pesquisa inserida na bibliografia do SROOF). O espantoso é que os radiologistas não instruíam e nem apresentavam o colar protetor dessa região. Se alguma mulher portadora deste câncer, questionar juridicamente e o perito tiver conhecimento desta portaria da ANVISA, poderá gerar um processo penoso.
Tenho a convicção de que é de nossa obrigação alertar os colegas dos problemas atuais com imagens 3D, até que se encontre mais segurança para o paciente, que desconhece esses detalhes.

Deixe um comentário

You must be logged in to post a comment.

Sobre o autor:

Arnaldo Pinzan

Arnaldo Pinzan

Mestre em Odontologia Ortodontia FOB pela Universidade de São Paulo (USP); Doutorado em Odontologia (Prótese Dentária) pela USP; Professor LIvre-docente da FOB-USP-Bauru em regime de tempo integral; Atua cursos de graduação de odontologia, fonoaudiologia, mestrado, doutorado e especialização; Revisor de periódico da Revista da Pós-Graduação da FOUSP; Revisor de periódico da Brazilian Oral Research; Atuou por 24 anos em consultório particular.
Simpósio 2012 - Radiologia, Ortodontia e Ortopedia Facial. © 2012 Cléber Bidegain Pereira. Todos os direitos reservados.