25 abril 2013

Importância do Diagnóstico Seguro

Publicado por Bruno GribelBruno Gribel

Mestre em Ortodontia; Postdoctoral Scholar Orthodontics and Pediatric Dentistry University of Michigan; Doutorando em Radiologia Odontológica (FOP/UNICAMP); Autor de artigos publicados no Brasil e no exterior; Autor do COMPASS3D - Diagnóstico Tomográfico para Ortodontia e Cirurgia Ortognática.

Consideramos que se devem ter precauções com as dose de radiação em si, porém mais importante é o beneficio que o exame traz nos conduzindo para o diagnóstico seguro.

Uma panorâmica mal indicada deve ser evitada a qualquer custo, assim como uma tomografia computadorizada bem indicada deve ser exigida sempre que necessário.

Mesmo considerando que a radiação X é duas vezes mais perigosa do que a radiação cósmica, um vôo entre São Paulo e Miami (80 uSv) expõe crianças e adultos a aproximadamente a mesma quantidade de radiação absorvida em uma tomografia cone bean (40 uSv).

De acordo com a Associação Americana de Radiologia Medica, doses inferiores a 100 uSv são extremamente seguras para adultos e representam um baixo risco biológico para esses pacientes.

Entretanto, sabe que crianças são aproximadamente 3 vezes mais sensíveis aos efeitos da radiação, o que leva a American Academy of Oral and Maxillofacial Radiology (AAOMFR) a propor que doses menor do que 33 uSv representam um baixo risco mesmo para essa população.

De acordo com vários estudos, a radiação de tomografias cone bean podem chegar, em alguns modelos de tomógrafos, a 37 uSV. É importante usar o protocolo correto e a calibração certa e acima de tudo a indicação adequada às circunstâncias.

A documentação ortodôntica, com panorâmica e telerradiografias, é um excelente auxiliar de diagnostico. Porém, em alguns casos se faz necessário complementar com radiografia oclusal, em técnicas de localização, com 2 ou 3 periapicais e em outras situações é necessário tomada de radiografias periapicais completa. Nesses casos a radiação pode chegar a 150 uSv e nem por isso deixamos de pedir tais exames.

Identificar os casos que possuem real indicação de exames é a chave para exercer de maneira ética e responsável com os nossos pacientes.

Casos com anomalias de posição e morfologia dentária, suspeita de reabsorções radiculares, comprometimento do osso alveolar disponível para realizar as movimentações ortodônticas desejadas e principalmente discrepâncias esqueléticas, onde o paciente apresenta notada assimetria, são situações amplamente suportadas na literatura, onde o diagnostico por meio de tomografias pode impactar na escolha do tipo de tratamento e na qualidade do resultado final.

Deixe um comentário

You must be logged in to post a comment.

Sobre o autor:

Bruno Gribel

Bruno Gribel

Mestre em Ortodontia; Postdoctoral Scholar Orthodontics and Pediatric Dentistry University of Michigan; Doutorando em Radiologia Odontológica (FOP/UNICAMP); Autor de artigos publicados no Brasil e no exterior; Autor do COMPASS3D - Diagnóstico Tomográfico para Ortodontia e Cirurgia Ortognática.
Simpósio 2012 - Radiologia, Ortodontia e Ortopedia Facial. © 2012 Cléber Bidegain Pereira. Todos os direitos reservados.