1 julho 2013

Conclusões Simpósio Radiologia, Ortodontia e Ortopedia – 2012

Publicado por Orivaldo TavanoOrivaldo Tavano

Especialista e Livre Docente em Radiologia; Mestre e Doutor em Diagnóstico Bucal pela FOB/USP Professor Titular de Radiologia (aposentado) nas Faculdades de Bauru (USP) e UNIP de Bauru e São José do Rio Preto, SP Ex Coordenador e Professor dos Cursos de Especialização, Mestrado e Doutorado da FOB/USP, de especialização em Radiologia da FMU, UNINCOR, ABCD/MS, PROFIS/USP e do Mestrado em Odontologia da SL MANDIC Editor responsável e Fundador da Revista da ABRO (2000 a 2004), autor de inúmeros trabalhos científicos, de livros e manuais didáticos em Radiologia Odontológica Responsável pela Triagem, SUS, Clinica de Radiologia e Semiologia, Comissão de Extensão de Serviços á Comunidade, FUVEST, Departamento de Estomatologia e da Informática na Faculdade de Odontologia de Bauru da Universidade de São Paulo.

Coordenação: Orivaldo Tavano e Cleber Bidegain Pereira.

O Simpósio de Radiologia, Ortodontia e Ortopedia (SROO – 2012) desenvolveu-se na internet e em dois encontros presenciais, no 18º Congresso Brasileiro de Ortodontia (ORTO-2012) e no XVIII Jornada da Associação Brasileira de Radiologia Odontológica (JABRO-2012), sendo patrocinado pela Academia Brasileira de Ortodontia (AcBO), Sociedade Brasileira de Radiologia Odontológica (SBRO) e Associação Latino Americana de Ortodontia (ALADO), tendo a colaboração da Sociedade Paulista de Ortodontia (SPO).
Estes encontros foram coordenados por Orivaldo Tavano e Cléber Bidegain Pereira.
Atividades do SROO no ORTO-2012.
Dia 29 de setembro, sábado: O desenvolvimento da programação aconteceu em três partes:
1ª Parte: Conferências:
Claudio Costa – Tema: Imagens de ressonância magnética e radiologia digital em Odontologia.
Rolf M. Faltin – Tema: Era 3D na Ortodontia e Ortopedia Facial. Mitos e realidade.
Marcos Gribel – Tema: Diagnóstico, planejamento e execução tridimensionais em Ortodontia, OFM e Cirurgia Bucomaxilofacial.
Vania Regina Fontanella – Tema: Critérios de indicação de imagens 2D e 3D.

2ª Parte – Apresentação de conclusões preliminares por Cléber

3ª Parte – Debates, entre Simposiastas, Conferencistas e Participantes Inscritos.

Atividades do SROO na JABRO-2012.
Abertura pelo Coordenador Orivaldo Tavano que recapitulou os trabalhos anteriores sobre o tema, à oportunidade deste Fórum e seu desenvolvimento, como segue:

1ª Parte:
Vídeo com a manifestação de Cleber Bidegain Pereira, resumindo as atividades anteriores do SROO e listagem das necessidades futuras;

2ª Parte as apresentações:
Rodrigo Passoni – Tema: Muito Além da Radiologia – Do Início à Realidade Atual da Automatização Digital;
Claudio Costa – Tema: Analisou a Gestão e integração de informações na radiologia digital na Odontologia;
Rolf M. Fantin – Tema: Qual a qualificação e o perfil do Radiologista responsável pela Clinica de Radiologia?
Marcos N. Gribel – Tema: Qual a qualificação e o perfil de quem faz e de quem recebe o exame para planejar o tratamento do paciente?
Mauricio Accorsi – Tema: Como aperfeiçoar o uso da Tomografia Computadoriza Feixe Cônico (TCFC) na Inter-relação Ortodontia e Radiologia.

3ª Parte Encerramento:
Aberta á manifestação dos presentes, seguida de discussão final e balanço do Simpósio pelo Coordenador Orivaldo Tavano.

Atividades do SROO na internet, antes e depois dos encontros presenciais.
Participação de Radiologista, Ortodontistas e Ortopedistas referidos como SIMPOSIASTAS em: http://www.cleber.com.br/simposio/, onde encontram-se suas respectivas manifestações e comentários.
Destes três acontecimentos colhemos manifestações a seguir relatadas.
Antecedentes:
Foi considerado, por este simpósio, que não se contesta a validade do uso da Tomografia Computadorizada do Feixe Cônico, (TCFC ) como uma ferramenta primorosa para as especialidades de Ortodontia, Ortopedia e Cirurgia Ortognática, nas patologias e fraturas da ATM etc., como foi explanado brilhantemente pelos ativadores do Simpósio e pelas manifestações dos presentes nos ORTO e JABRO.
Depois desta etapa, preocupa sobremaneira, que nem todos os radiologistas possuem o treinamento adequado para o uso correto e com qualidade da TCFC, importante instrumento de diagnóstico.
Considerações:
Este simpósio foi proposto para uma busca e discussão visando a seguinte questão principal:
- Quando as imagens tradicionais são insuficientes para o diagnóstico radiográfico preciso e está indica a TCFC ?
O exame clínico é soberano na indicação dos exames necessários para o diagnóstico por imagem, cabe àquele que solicita as imagens ter conhecimento das reais vantagens das diferentes técnicas e principalmente da TCFC. De tal forma que principalmente “os ortodontistas e ortopedistas precisam estar familiarizado com as imagens tridimensionais para usá-las corretamente, não só no que diz respeito à visualização da anatomia em três dimensões, mas também do estudo da imagem em programas computadorizados e avaliados em monitores dos computadores. A mudança é grande e grandes mudanças levam tempo para serem assimiladas. Para que haja um real ganho com essa nova tecnologia, se faz necessária uma maior interação entre os radiologistas e os ortodontistas para um maior intercâmbio de informações. Este simpósio sugere que as associações das especialidades de Ortodontia e Ortopedia convidem mais radiologistas para ditar cursos de informações sobre interpretação e uso da TCFC de 3D e RM bem como as associações de Radiologia como a ABRO, convide mais ortodontistas para falarem sobre suas inquietudes e necessidades.” Kyria Spyro Spyrides.
“Incorporado ao COMPASS 3D esta a classificação esquelética das más oclusões ao longo da dentição decídua, conforme publicação de Isabella Tollaro, Baccetti, Franchi e McNamara”, 1996. (Marcos Gribel).
Ainda segundo Marcos Gribel: “O mundo é em 3D, nos somos 3D, nossos diagnósticos devem ser em 3D”.
No que concorda Kurt Faltin: “As imagens 3D representam o futuro da imaginologia nas especialidades Ortodontia e Ortopedia Facial e na Ortopedia Funcional dos Maxilares”.
Clóvis Marzola acrescenta que: “São muito importante os métodos de imagem em 3D principalmente na localização de corpos estranhos ou ainda de dentes retidos, principalmente aqueles caninos retidos e os supranumerários quando não se tem uma localização radiográfica precisa.
“Ressalta Sílvia Chedid a importância das tomografias 3D para o diagnóstico de oclusopatias durante a fase de dentadura decídua. Não há exames cefalométricos adequados para esta faixa etária. Além disso, os aumentos de oclusopatias em dentes decíduos vêm crescendo significativamente e um exame como este pode ajudar e facilitar muito o diagnóstico e soluções terapêuticas, mas deve ser lembrado que seu uso deve ser quando existe indicação clínica precisa e os outros métodos de imagem não foram suficientes para a elucidação do diagnóstico”.
Mauricio Accorsi relata que a TCFC tem a capacidade de fornecer uma visualização mais completa e exata da anatomia real do paciente, podendo (potencialmente) melhorar o diagnóstico, o planejamento do tratamento e o tratamento propriamente dito. Uma visualização da anatomia real por meio da TCFC, para a avaliação ortodôntica, proporciona uma abundância de informações com relação à dentição, às ATMs, à morfologia esquelética, à morfologia alveolar, às vias aéreas e à morfologia da cavidade bucal como um todo, no que diz respeito a patologias e traumas”. No que concorda Hugo Dagum que lembra sobre casos de anquilose e das condições da tábua óssea vestibular nos tratamentos de Ortodontia e Ortopedia, observadas por esta técnica. Continuando Mauricio Accorsi relata: “As informações em 3D possibilitam o entrelaçamento de arquivos digitais, como os arquivos de TCFC, as fotografias 3D e os modelos 3D digitais, permitindo a obtenção de informações extremamente relevantes e que eram impossíveis de serem obtidas com as técnicas convencionais. Dentre as informações que estão disponíveis aos clínicos e pesquisadores, podemos citar a avaliação do posicionamento axial 3D de todas as raízes dentárias, as inter-relações entre tecidos moles e duros, a avaliação volumétrica das vias respiratórias e a determinação de planos de referência para uma análise cartesiana ortogonal. As ferramentas de software disponíveis hoje no mercado oferecem uma vasta gama de possibilidades no que diz respeito a simulações virtuais de tratamento ortodôntico e ortodôntico-cirúrgico, assim como a confecção de guias cirúrgicos, alinhadores transparentes, guias de colagem indireta para técnicas labiais e linguais”.
Para Elvira Camardela: “certamente as conclusões do SROO-2012 servirão de orientação do bom uso da 3D como mais um excelente meio de diagnóstico. A 3D veio para ficar e nos conduzir para a prototipagem, no auxílio de próteses e aparelhos tanto em orto,ortopedia e até na reconstrução de tecido na face ou na maxíla e mandíbula”.
Ainda para o Marcio Correa: “Alterações de posição dos côndilos mandibulares” “As imagens em 3D podem ser utilizadas atualmente na ortodontia em algumas situações como: avaliação da espessura das corticais ósseas (principalmente as vestibulares), alterações de desenvolvimento de dentes, previamente diagnosticadas em exames convencionais, pesquisa de anquilose dentária, em casos de suspeita de reabsorção radicular causadas por dentes retidos, assimetrias não usuais”.
A ressonância magnética segundo Cláudio Costa é usada preferencialmente no diagnostico das alterações articulares da ATM e para a análise de tecidos moles não calcificados, em especial o disco articular.
“As imagens em 3D têm seu uso ainda não rotineira no diagnóstico odontológico, no entanto as possibilidades por ela oferecidas são de grande valia, como exemplo temos a avaliação das inclinações dentais em relação as bases ósseas. A carie e os problemas de dentistica e da prótese ainda dependem de um bom levantamento completo periapical”, (Felicio Zampieri).
“Sem tirar o mérito dos exames radiográficos, que, com mais de 100 anos de existência ainda cumprem muito bem o seu papel no exame dos tecidos duros da região dentofacial e craniofacial, as imagens tridimensionais são o futuro dos exames por imagens tanto em Ortodontia quanto em Ortopedia Facial” (Gerson Kohler).
Para Guilherme Janson e Roberta Handem “A tomografia computadorizada não necessita ser utilizada rotineiramente em ortodontia, mas tão somente em situações específicas como: avaliação de dentes impactados (principalmente caninos), avaliação do espaço aéreo e de espaço para mini-implantes, e cirurgia ortognática. “A radiografia tradicional continuará sendo usada por fornecer exames de qualidade com baixa radiação, em casos específicos como, por exemplo, canino incluso solicita-se tomografias”.
“As radiografias tradicionais continuarão sendo utilizadas em larga escala no diagnostico, tanto as periapicais e interproximais por sua riqueza de detalhes, como as extrabucais, pois o profissional reduz a exposição à radiação ao paciente através da eliminação exames que não são clinicamente justificadas” (Orivaldo Tavano).
“Entre outras a TCFC deve ser utilizada para pesquisas de detalhes (fraturas, anquiloses, etc). Com o tempo os sistemas analógicos serão substituídos pelos sistemas de radiografias digitais, no entanto não se pode ignorar que por melhores que sejam as radiografias digitais, nelas continuamos limitados apenas a duas dimensões” (Rodrigo Passoni).
De acordo com a Associação Americana de Radiologia Medica, doses inferiores a 100 microsievert (μSv) são extremamente seguras para adultos e representam um baixo risco biológico para esses pacientes. Entretanto, sabe que crianças são aproximadamente três vezes mais sensíveis aos efeitos da radiação, o que leva a American Academy of Oral and Maxillofacial Radiology (AAOMFR) a propor que doses menores do que 33 μSv representam um risco baixo mesmo para essa população.
“Casos com anomalias de posição e morfologia dentária, suspeita de reabsorções radiculares, comprometimento do osso alveolar disponível para realizar as movimentações ortodônticas desejadas e principalmente discrepâncias esqueléticas, onde o paciente apresenta notada assimetria, são situações amplamente suportadas na literatura, onde o diagnostico por meio de tomografias pode impactar na escolha do tipo de tratamento e na qualidade do resultado final” (Bruno Gribel).
“A Ressonância Magnética é o único exame que nos informa sobre os discos e ligamentos articulares bem como osso medular, mas possui restrições quanto ao osso cortical”. (Bruno Cabus).
“O Diagnóstico em 3D vem “par e passo” com uma mudança de conceitos na Ortodontia, dependendo de como iremos aplicar essas novas tecnologias” (Maurício Accorsi).
Algumas situações em que a visualização em 3D se faz imprescindível para o diagnóstico seguro.
As primeiras apresentações mostraram de maneira cabal que a TCFC representa auxilio diagnóstico para a Ortodontia e Ortopedia, inestimável e preciso, satisfazendo as necessidades de avaliação das dificuldades e das complicações de tratamento nestas especialidades.
Os radiologistas que apresentaram em seqüencia mostraram como se usa o equipamento, as técnicas, as instalações, a informática e a comunicação com os outros profissionais. Relacionando o que se espera do uso da TCFC. Os simposiastas que se apresentaram a seguir, fizeram uma demonstração das ferramentas que podemos utilizar na imagem obtida em 3D, por esta técnica aumentando a capacidade do profissional no diagnóstico e no planejamento de seus casos, principalmente dos softwares.
Justificativas do uso das técnicas tradicionais.
Segundo Cléber: A cefalometria radiográfica está prestes há completar 100 anos e neste tempo aprimorou-se, mas basicamente continua a mesma. Reflexionando-se sobre este fato, pode-se concluir que está na hora de mudar. Por outro lado, pode-se admitir que se o sistema é bom, pois durou tanto tempo… É inquestionável, no entanto, que o conhecimento acumulado com este sistema é um fator de imensurável valor. Grandes ensinamentos a ortodontia colheu e vem colhendo em observações e avaliações cefalométricas tradicionais. Os sistemas tridimensionais, por certo mais elucidativos, e indicados em muitos casos, principalmente em cirurgia ortognatica, ainda carecem da sedimentação de estudos em continuidade para que sejam mais bem aproveitados. As medidas cefalométrias em 3 D são muito próximas da realidade, quando comparadas com medidas em crânios secos. Enquanto que estas medidas lineares, na cefalometria em 2D, sofrem a distorção da magnificência, portanto, neste aspecto, os padrões de 2D e 3D são significativamente diferentes. As medidas de ângulos devem ser similares. Aternativa, extremamente sedutora, é a Cefalometria tradicional feita em imagem da hemiface da TCFC. Esta imagem é o sonho de 100 anos, oferecendo os contornos anatômicos laterais da face não sobrepostos, possibilitando com segurança a marcação dos pontos cefalométricos laterais. A sobreposição das imagens laterais da face dificulta ao operador traçar o lado esquerdo, conforme recomendação que vem da Antropologia. Conjeturando com a divergência dos raios e a magnificência o operador hábil consegue traçar o lado esquerdo, sempre que as assimetrias faciais não perturbem demais esta determinação.
Deve ser considerado que a cefalometria, ainda que manipulando números, não tem a precisão da matemática, será sempre um estudo biológico com evidências mais ou menos significativas, mas sem a total clareza. Assim sendo, os pequenos erros na marcação dos pontos, ainda que indesejáveis, não são demais significativos. Isto leva a conclusão de que a precisão das glamorosas hemifaces pouco pode influenciar no diagnóstico. De qualquer maneira, sempre que for possíveis estudos cefalométricos na hemiface, sem aumentar o custo biológico para o paciente, isto deve ser feito. É importante enfatizar que este novo sistema aproveita integralmente os 100 anos de estudos da cefalometria tradicional.
Naqueles pacientes com caninos ou terceiros molares inclusos ou com sequência de irrupção dentária alterada, em que o exame clínico nos faz suspeitar da presença de extranumerário, ausências congênitas, má formação dentárias e outras anormalidades sugere-se que a aquisição total da face em TCFC e montagem de panorâmica. Crianças, com dentição decídua que consultam o Cirurgião Dentista, regra geral, chegam ao consultório porque tem alguma anormalidade ou patologia: cáries, síndromes variados, fissurados, trauma, anomalias diversas. “Nestes casos deve-se solicitar como primeira opção a aquisição da TCFC”.
Justificativas no uso da TCFC
A radiografia panorâmica oferece a visão de todos os dentes em conjunto, suplantando, neste aspecto, a bateria de radiografias periapicais. No entanto as radiografias periapicais são mais precisas e elucidativas, principalmente na região anterior. As panorâmicas, montadas da aquisição total da face em TCFC, são extremamente mais elucidativas e precisas do que as panorâmicas comuns. A visão em vários cortes estrategicamente feitos na TCFC nos trás informações valiosas sobre a posição dos dentes que, em casos de anormalidades, são decisivas na formulação do diagnóstico e plano de tratamento. Assim sendo, quando há suspeitas de anormalidades dentárias, como nos casos referidos, deve-se fazer a TCFC, pois é certo que será necessária para a formulação do bom diagnóstico. Tentar economizar o custo biológico iniciando com a panorâmica comum e constatar que lhe falta segurança nas informações e então fazer a TCFC será somar outros custos biológicos desnecessariamente. Considerando-se que a aquisição total da face TCFC, sem aumentar o custo biológico, possibilita também a montagem da hemiface, naqueles pacientes em que a panorâmica comum mostra-se insatisfatória, pela visão prematura do clínico experiente, então ao invés da telerradiografia comum, deve-se solicitar a hemiface TCFC, eliminando assim o custo biológico adicional da telerradiografia.
“Em custo biológico a soma da panorâmica + telerradiografia comum perfil e frontal, podem ser equivalentes a aquisição total da face TCFC se o equipamento de equipamento de radiografia não é digital e o tomógrafo for de última geração, como ocorre em muitos serviços de radiologia atualmente no Brasil”. (Rolf Faltin).
A tomografia computadorizada não necessita ser utilizada rotineiramente em ortodontia, mas tão somente em situações específicas como: avaliação de dentes impactados (principalmente caninos), avaliação do espaço aéreo e de espaço para mini-implantes, e cirurgia ortognática (Hechler 2008; Chenin 2010; Mah and Alexandroni 2010).

A radiografia tradicional continuará sendo usada por fornecer exames de qualidade com baixa radiação, em casos específicos como, por exemplo, canino incluso solicita-se tomografias.
As radiografias tradicionais continuarão sendo utilizadas em larga escala no diagnostico, tanto as periapicais e interproximais por sua riqueza de detalhes, como as extrabucais.
O profissional reduz a exposição à radiação desnecessária ao paciente através da eliminação exames que não são clinicamente justificadas.
Entre outras a TCFC deve ser utilizada para pesquisas de detalhes (fraturas, anquiloses, etc).
Com o tempo os sistemas analógicos serão substituídos pelos sistemas de radiografias digitais, no entanto não se pode ignorar que por melhores que sejam as radiografias digitais, nelas continuamos limitados apenas a 2 dimensões.
“A tomografía na prática da ortodontia e ortopediatria pode-se utilizar para avaliações da morfologia ósseas, condições de evolução dentária, posição de peças dentárias com mau posicionamento, avaliação de fatores de amadurecimento ósseo. Também se pode aplicar a estas imagens programas de medições previstas de crescimento”.
Consideramos que se devem ter precauções com as dose de radiação em si, porém mais importante é o beneficio que o exame traz nos conduzindo para o diagnóstico seguro.
Uma panorâmica mal indicada deve ser evitada a qualquer custo, assim como uma tomografia computadorizada bem indicada deve ser exigida sempre que necessário.
Considerando que a radiação cósmica corresponde a metade do perigo da radiação X, um vôo entre São Paulo Miami, que expõe crianças e adultos a aproximadamente a 80 μSv corresponde a mesma quantidade de radiação absorvida em uma TCFC, 40 μSv.
De acordo com vários estudos, a radiação de TCFC pode chegar, em alguns modelos de tomógrafos, a 37 μSv. É importante usar o protocolo correto e a calibração certa e acima de tudo a indicação adequada às circunstâncias.
A documentação ortodôntica, com panorâmica e telerradiografias, é um excelente auxiliar de diagnostico. Porém, em alguns casos se faz necessário complementar com radiografia oclusal, em técnicas de localização, com 2 ou 3 periapicais e em outras situações é necessário tomada de radiografias periapicais completa. Nesses casos a radiação pode chegar a 150 μSv e nem por isso deixamos de pedir tais exames.
Identificar os casos que possuem real indicação de exames é a chave para exercer de maneira ética e responsável com os nossos pacientes
Casos com anomalias de posição e morfologia dentária, suspeita de reabsorções radiculares, comprometimento do osso alveolar disponível para realizar as movimentações ortodônticas desejadas e principalmente discrepâncias esqueléticas, onde o paciente apresenta notada assimetria, são situações amplamente suportadas na literatura, onde o diagnostico por meio de tomografias pode impactar na escolha do tipo de tratamento e na qualidade do resultado final.
A RM é o único exame que nos informa sobre os discos e ligamentos articulares bem como osso medular mas possui restrições quanto ao osso cortical.
O Diagnóstico em 3D vem “par e passo” com uma mudança de conceitos na Ortodontia, dependendo de como iremos aplicar essas novas tecnologias.
Algumas situações em que a visualização em 3D se faz imprescindível para o diagnóstico seguro.
- Fissurados totais geralmente têm comprometimento dentário que necessitam ser bem esclarecidos para o diagnóstico seguro.
- Síndromes diversos em que a imagem panorâmica tradicional não foi suficientemente esclarecedora, como poderiam ser esperados; ausências congênitas de dentes ou extranumerários; dentes retidos;
- Pacientes que serão submetidos a cirurgia ortognática;
- Pacientes com grandes discrepâncias esqueléticas com suspeita de comprometimento do volume das vias respiratórias/apneia obstrutiva do sono.

anomalias de crescimento com severos apinhamentos; retratamentos ortodônticos; avaliação em 2D geralmente não mostra graves aspectos que podem ocorrer em fraturas de côndilo, ressalta-se que a ATM é uma das mais importantes articulações do corpo humano, envolvendo respiração, fala, deglutição, mastigação, todo o custo biológico é válido para que se tenha um diagnóstico seguro e isto só pode ser em 3D, visto que as fraturas são tridimensionais; disfunção Temporomandibular (DTM) em pacientes não jovens, nestes a primeira indicação é a Ressonância Magnética que mostra lesões nos tecido moles (menisco articular e cápsula) em DTM avançadas pode-se esperar além de lesões no menisco, lesões na cabeça do côndilo que só podem ser bem avaliadas com a TCFC.
“Cefalometria 3D
Uma análise cefalométrica é composta por uma série de medidas destinadas a avaliar os diferentes parâmetros geométricos de cada “unidade facial” como maxila, ou mandíbula, por exemplo. Dessa forma, quatro parâmetros básicos podem ser avaliados: tamanho, forma, posição e orientação de cada unidade. Porém, existem algumas razões para o questionamento da validade da cefalometria radiográfica 2D. Em primeiro lugar, e talvez o mais importante, é o fato de que o filme convencional é a representação bidimensional de um objeto tridimensional. Quando um objeto tridimensional é representado em duas dimensões, as estruturas são deslocadas verticalmente e horizontalmente em proporção à sua distância ao filme, ou plano de registro. Segundo, a análise cefalométrica é baseada na suposição de uma perfeita sobreposição entre os lados direito e esquerdo no plano sagital médio, mas isso é pouco observado por que a simetria facial é rara. Terceiro, a grande quantidade de erros de projeção radiográfica, associados à aquisição de imagens, que incluem magnificação de tamanho e distorção da imagem, bem como os erros no posicionamento do paciente e distorção inerente à geometria relacional entre o paciente o filme e o foco de raios X, que podem comprometer uma avaliação acurada. Por último, o erro operacional na elaboração do cefalograma e no processamento da análise cefalométrica pode também diminuir a acurácia e a precisão do método. Atualmente, estamos vivenciando uma mudança de paradigma à medida que presenciamos uma transição das imagens 2D para 3D. As imagens obtidas pela TCFC podes ser usadas para criar modelos 3D do esqueleto craniofacial, dentes e tecidos moles. É possível também a transferência da Posição Natural da Cabeça, obtida em fotografias 3D para a tomografia, permitindo a correção e ajuste do volume tomográfico, para a obtenção de análises cefalométricas 3D e planejamentos virtuais.
No entanto, novos problemas inerentes a cefalometria 3D precisam ser abordados. Estes problemas incluem a falta de um sistema de referência interno confiável, ferramentas para avaliar e medir as assimetrias de forma adequada. A utilização de medidas volumétricas como novos parâmetros, a utilização de medidas angulares entre planos de referência e a falta de dados para a elaboração de novas “normas cefalométricas” em 3D. No entanto, diversos centros ao redor do mundo estão investindo em pesquisas e autores como Jaime Gateno, James Xia, Gwen Swennen, entre outros, já apresentaram propostas para a solução desse problemas”. (Maurício Accorsi).

Considerações finais:
Como observamos são vários os aspectos que devem ser seguidos para um perfeito exame radiográfico, radiologista, auxiliares, instalações, normas e convênios, os quais, no que tange á utilização do equipamento de TCFC a complexidade aumenta.
O Simpósio comprovou a necessidade do uso da TCFC na Ortodontia e Ortopedia, ressaltando que apenas profissionais de alto gabarito, treinados e com equipamentos de informática de ponta são capazes de utiliza-lá com critério e competência.
Questiona-se o fato de que a maioria dos profissionais Radiologistas seja capaz de obter imagens com qualidade e dose baixa de radiação ionizante, dando ao paciente tratamento de qualidade e segurança, sugerindo-se que deve haver melhor preparação destes, para manipularem as TCFC.
Impõem-se mudanças nos cursos de especialização em Ortodontia e Ortopedia introduzindo uma disciplina especifica para a TCFC, como sugere o Mauricio Accorci, baseadas nas discussões virtuais, e nos debates presenciais que aconteceram em São Paulo no Orto 2012 e na XVIII JABRO em Foz do Iguaçu.
Nossa realidade é que em um curso de Especialização de Radiologia Odontológica de cerca de 750 horas seria impossível ensinar adequadamente as técnicas, a interpretação, o controle de qualidade, biossegurança, destino dos resíduos, fotos, moldagem e modelos, administração, informática, economia, compreensão das normas, legislação, responsabilidades, funcionários, requisitantes especialistas ou CD etc, que é praticado na rotina das clinicas de Radiologia.
Considerando que a TCFC é importante para o diagnóstico radiológico na Odontologia e que, além disso, seria um diferencial na nossa clinica, mas que aumenta o trabalho que é muito mais especializado do que as técnicas de rotina intra e extra-bucais, convencionais ou digitais, seria necessário um curso adicional de capacitação, de no mínimo 60 horas, com o perfil adequado, treinando o Radiologista em técnica, tecnologia da informação, Anatomia Topográfica, por exemplo, poderia torná-lo apto a exercer esta prática, após exame de capacitação com avaliação pelos pares.
Os desenvolvedores de softwares para a Odontologia sugerem aos especialistas de Ortodontia que recebam os arquivos das aquisições da TCFC, de seus pacientes, em Dicom para avaliarem em seus consultórios as imagens, além disso, fazer medições, reconstruções etc., com a finalidade de montar o seu plano de tratamento. Esta premissa está de acordo com as normas atuais do CFO e da Portaria 453 da Anvisa, no que diz respeito a especialidade de Radiologia Odontológica.
Acrescentamos a manifestação da Vania Fontanella, sobre os laudos, de que o novo código de ética coloca que ele é obrigatório e executado por quem fez a imagem. Fato este reforçado pelas determinações do CFO que exige do profissional responsável pela tomada da imagem um relato dos achados, das estruturas normais e de suas variações, dos artefatos e das alterações existentes, patológicas ou não. Não faz parte da atividade como Radiologista traçar planos de tratamento, principalmente nas especialidades em que não tem competência ou treinamento.
Finalizando foi considerado no SROO 2012 que o uso correto da imagem em 3D é em excelente método de diagnóstico para o Ortodontista e o Ortopedista, auxiliando na resolução de inúmeros casos. No entanto, é necessário que o Radiologista tenha os equipamentos, softwares e o treinamento adequado para a obtenção da imagem da TCFC. E, evidentemente, o profissional especialista que requisitou o exame pela TCFC deve ter noções de informática e de avaliação dos achados na TCBC, pelo menos tenha o discernimento de saber pedir para o radiologista as áreas ou locais aonde os cortes devem ser executados, para que lhe esclareçam as dúvidas.
O ideal seria que Ortodontista e Ortopedistas possuam computadores e softwares específicos para examinar as imagens TCFC, afim de que não fiquem apenas com a visão restrita do Radiologista, que escolhe algumas imagens imprime e envia ao requisitante, o qual, neste caso, não aproveita todo o potencial que a TCFC oferece, pois recebe imagens em 2D que foram adquiridas em 3D.

Coordenadores Orivaldo Tavano e Cleber Bidegain Pereira.

Deixe um comentário

You must be logged in to post a comment.

Sobre o autor:

Orivaldo Tavano

Orivaldo Tavano

Especialista e Livre Docente em Radiologia; Mestre e Doutor em Diagnóstico Bucal pela FOB/USP Professor Titular de Radiologia (aposentado) nas Faculdades de Bauru (USP) e UNIP de Bauru e São José do Rio Preto, SP Ex Coordenador e Professor dos Cursos de Especialização, Mestrado e Doutorado da FOB/USP, de especialização em Radiologia da FMU, UNINCOR, ABCD/MS, PROFIS/USP e do Mestrado em Odontologia da SL MANDIC Editor responsável e Fundador da Revista da ABRO (2000 a 2004), autor de inúmeros trabalhos científicos, de livros e manuais didáticos em Radiologia Odontológica Responsável pela Triagem, SUS, Clinica de Radiologia e Semiologia, Comissão de Extensão de Serviços á Comunidade, FUVEST, Departamento de Estomatologia e da Informática na Faculdade de Odontologia de Bauru da Universidade de São Paulo.
Simpósio 2012 - Radiologia, Ortodontia e Ortopedia Facial. © 2012 Cléber Bidegain Pereira. Todos os direitos reservados.