DECISÃO PARA O DIAGNÍSTICO

Dr. Fued Samir Salmen  ( * )

É clássio que o laudo de um radiologista é uma "SUGESTÃO e não um diagnóstico definitivo por mais nítida e clássica que seja uma imagem. A "sugestão" do radiologista ainda é um "hipótese de diagnóstico" que deve sempre ser associada à avaliação clínica dos sinais e sintoma e mesmo assim, tratando de patologia a palavra final fica associada ao laudo da Anatomia Patológica.

Observe este caso onde o paciente foi submetido a extração do segundo pré-molar superior esquerdo
( Fig - 1 ) com uma lesão periodontal bem evoluida após a fratura longitudinal da raiz.

Imagine que não precisa ser um "experto" para saber que o osso perirradicular foi totalmente reabsorvido principalmente a parte vestibular do osso alveoloar. Após a exodontia foi solicitado Tomografia Linear (Fig - 03) somente para mostar o diagnóstico da perda óssea para o paciente como argumento final da indicação do enxerto ósseo autógeno em bloco para reconstrução localizada. Essa reconstrução preve a fixação futura de um implante osseointegrável nessa região. A TClinear foi mal posicionada e como resultado parece que tem osso pleno para receber implante. Fui eu quem fez o diagnóstico primário e deixei claro ao paciente que já não haveria osso para receber implante antes da exodontia, fui eu quem realizou a exodontia e a sondangem para exploração do osso alveolar residual.
Poderia ter solicitado nova Tomografia, mas insisti com o paciente que estava muito bem orientado e agendei cirurgia para enxerto.
Observe a figura 11, quando da cirurgia para enxerto pudemos documentar o defeito causado pela lesão periodontal com a perda óssea e na figura 12 o bloco ósseo retirado do ramo mandibular esquerdo fixado com parafuso de titânio.

Outro, sem conhecer a história do paciente e sem ao menos ver a radiografia com a raiz fraturada poderia ter optado pela cirurgia de fixação de implante baseado somente pela tomografia.

Isso se denomina "decisão" com base clínica e que temos que tomar com o paciente muito bem orientado.

Portanto, quando um caso já tratado é observado por um outro colega que desconhece a história inicial do caso, este por sua vez necessita de cautela e muita atenção para suas afirmações.

  

   
 


( * ) Especialista em Cirurgia Maxilo Facial - USP - SP
       Pós Graduado em Cirurgia Ortognática pela Universidade de Havana - Cuba
       Mestre em Cirurgia Maxili Facial pelo Hospital Heliópolis / SP
       Cirurgia Maxilo Facial - USP - SP